EmpreendedorismoJuventudeNotícias

Empreender na juventude traz oportunidades para o futuro

Ter o próprio negócio, flexibilidade de horário e fazer o que realmente ama. São alguns motivos que fazem dos jovens “mergulharem” no mundo do empreendedorismo. Empreender nesta fase também tem sido a alternativa mais rápida para “experimentar” a profissão, adquirir independência financeira e driblar a crise diante de um mercado cada vez mais competitivo e disputado.

Foto: Tatiana Ribeiro)

Foi o que fez o jovem Emanoel Lucas Santos Correia, de apenas 16 anos. Morador do bairro Santa Martha, em Vitória, ele apostou no ramo da barbearia. “Sinto que me tornei um cidadão melhor. A gente passa a ter compromisso com horário e se relaciona com as pessoas. A minha maior alegria é poder servir de inspiração para crianças e jovens da nossa comunidade, pois sabemos que a nossa realidade não é das melhores, mas podemos fazer a diferença”, diz.

O jovem teve o apoio da família para a abertura do negócio. Manoel Correia, pai de Emanoel, logo percebeu a aptidão do filho para a profissão. “Propus a ele pagar um curso de barbeiro. E, logo ao término, ele passou a cortar cabelos no quintal de casa. A demanda aumentou, mudamos de ponto e ajudei a estruturar a barbearia para melhor atender os clientes”, conta.

O pai fala com orgulho sobre as mudanças do filho ao empreender. “Emanoel passou a ter mais responsabilidade e independência financeira. A ocupação é essencial para o jovem, pois sabemos que existem outros tipos de ofertas ilícitas em comunidades periféricas. Hoje ele já consegue se manter e pagar as suas contas. Muitas vezes, o jovem só precisa de oportunidade”, afirma.

Desde 2017, a autônoma Gracielle Patrocínio Nunes atua no segmento de unha de gel. No início da carreira ela também teve o suporte dos pais. Aos 17 anos, começou a trabalhar como manicure no salão da sua mãe e teve ajuda com materiais. Há cinco anos, visando agregar mais valor ao seu trabalho e melhorar a renda, migrou para o serviço de unha de gel. “Fiz um curso profissionalizante, pois era uma área em evidência e não queria sair do ramo”.

Foto: Eunice Cipriano

Hoje, aos 35 anos, a profissional tem a sua independência financeira e montou um espaço na sua casa, para evitar custo com aluguel e oferecer maior comodidade e conforto às clientes, até pela facilidade de acesso.

Gracielle Nunes enfatiza que todo começo é difícil, mas o importante é não desistir. Chegou até a trabalhar em algumas empresas, mas não conseguiu se adaptar. “Não me identificava trabalhando para terceiros e queria fazer o que realmente amava. Por isso, decidi empreender, ser dona do meu próprio negócio e ter mais flexibilidade de horário”.

A design de unha de gel se sente feliz e realizada na profissão e projeta novos planos. “Para o futuro, pretendo ofertar alguns cursos de reciclagens para aperfeiçoamento. E, é claro, sempre buscar aprimorar o conhecimento e investir cada vez mais no espaço”, diz.

Desafios do empreendedorismo na juventude

Foto: Arquivo pessoal

São muitos os desafios para empreender na juventude. Iniciar um negócio exige informação, investimento, qualificação e custo. Nesta etapa, o “empurrãozinho” da família é primordial, principalmente, se tratando da realidade das comunidades periféricas, devido à dificuldade de acesso à informação e falta de recursos. Mas com “moderação”, adiantam os especialistas.

Segundo o contador Fabiano Silveira, o grande desafio dos pais é dar o apoio que os jovens precisam para empreender, mas ao mesmo tempo não deixar que os filhos criem uma dependência dos pais no negócio. “O suporte familiar é fundamental, como apoio moral, estudo e até financeiro, se necessário. Todavia, o jovem não pode ficar totalmente dependente dos pais, pois isso impede que ele aprenda com as experiências, corra riscos e torne um empreendedor de sucesso no futuro”, enfatiza.

Fabiano ressalta que empreender na juventude vai além do conhecimento acadêmico. O objetivo é muito mais aprender do que ganhar dinheiro, pois o jovem precisa adquirir a capacidade de ser resiliente. “Ter a visão que mesmo fracassando algumas vezes, ele pode superar os obstáculos, ser motivado e recomeçar. Empreender cedo ajuda na sua caminhada e questões subjetivas, como emocionais e psicológicas. Quanto mais jovem ele entrar nesse ramo, mais forte mentalmente ele estará adaptado para o mercado de trabalho”, diz.

O contador finaliza dando uma dica bacana para o jovem que quer empreender “partindo do zero”. “Trabalhe com uma pessoa que não seja parente e exerça uma atividade que ele tenha aptidão, que goste. Comece como aprendiz de um profissional, mesmo ganhando pouco ou de forma voluntária. Essa vivência permite o jovem experimentar o mercado, se relacionar com clientes e fornecedores, sem sofrer riscos. E, depois, sim, ele parte para abrir o próprio negócio”, orienta.

Capacitação e olho nas tendências do mercado

Foto: Divulgação Sebrae/ES

Para o analista do Sebrae/ES Rafael Botelho o jovem também deverá buscar capacitação em cursos voltados para o empreendedorismo. E ajuda de especialistas para desenvolver a sua ideia de negócio. “Vale atentar-se para novas oportunidades que estão surgindo, como por exemplo, o crescimento de produtos e serviços ofertados pelos meios digitais”, salienta.

Botelho reforça que, gerando a sua própria renda a partir de um micro negócio, é possível que o jovem empreendedor tenha uma retirada mensal que ajude nas suas despesas particulares e até mesmo possa contribuir com as despesas do lar. “Mas é importante saber separar desde o inicio do negócio as despesas pessoais (incluídas em seu pró-labore) e a separação das despesas do negócio, para que se tenha a visão do lucro efetivo do negócio”, diz.

Ele acrescenta ainda que fomentar uma cultura empreendedora é um caminho sábio para a preparação dos jovens para o futuro. “O jovem dos tempos atuais tem que estar preparado para gerar trabalho e renda pela via do empreendedorismo e não se preparar somente para buscar o mercado de trabalho formal, que está sofrendo grandes mudanças dentro do cenário atual”, conclui.

10 DICAS PARA O JOVEM EMPREENDER

Foto: Tatiana Ribeiro

1  – Invista numa profissão que você goste.

2 – Comece como aprendiz de um profissional.

3 – Leia bons livros na sua área.

4 – Faça cursos de empreendedorismo.

5 – Pesquise ideias de negócio e encontre uma ideia que julque ser promissora e que gere receitas também.

6 – Converse com alguns potenciais clientes sobre a sua ideia.

7 – Defina o modelo de negócio e faça um plano de ação.

8 – Comece a testar o negócio na prática.

9 – Faça mudanças de percurso após rodar o 1º ciclo e após receber os feedbacks dos clientes.

10 – Busque capacitação continuamente.

Fonte: SEBRAE/ especialistas consultados

SERVIÇOS:

Barbearia Emanoel Lucas do Corte
Rua Osvaldo Aranha, 165, Santa Martha, Vitória
Tel.: (27) 99530-6460
@emanoellucas_na_voz

Gracielle Nunes Design
Rua: Osvaldo Aranha, 92, Santa Martha, Vitória

@gracynunesdesign
Tel.: (27) 99759-2512

SEBRAE

O Sebrae oferece diversos cursos e programas voltados para o empreendedorismo. Dentre eles, o programa “Jovens Empreendedores”, desenvolvido em parceria com as Secretarias Municipais de Educação, cujo objetivo é fomentar a cultura empreendedora no ensino de base (fundamental), para que o jovem entre em contato com o empreendedorismo desde cedo e na fase adulta esteja preparado para empreender. Saiba mais: 0800 570 0800 ou 3041-5500 (WhatsApp)

Tatiana Ribeiro

Comment here